26.2.15

biscoitinhos de aveia e chia com geleia (sem lactose)


Essa receita eu vi no programa da Bela Gil, pra ser sincera eu não gosto do programa e nem das receitas, acho-a sem carisma, parece que ela tira do nariz as informações nutricionais que ela despeja entre as entrevistas, e as receitas "reconstruídas" na naturebice me deixam com zero vontade de comer alguma coisa que sai da cozinha da moça. Aí no FB eu vi esse post do BuzzFeed e depois de dar boas risadas fui assistir o programa com a Carolina Dieckmann (a cara de maluca da Bela Gil em cima dela pra provar a torta de goiaba foi incrível) e acabei me interessando por estes biscoitinhos, me lembrei do pacote de farinha de aveia que comprei sem motivo algum e usei geleia industrializada. A massa foi bem chatinha para dar liga, viu, coloquei mais uma colher de óleo de coco, não deu certo e coloquei um tiquinho de água, mesmo.

2 xícaras farinha de aveia
2 colheres (sobremesa) chia
pitada de sal
2 colheres (sopa) melado de cana
2 colheres (sopa) azeite
1 colher (sopa) óleo de coco
geleia de framboesa (ou outra de sua preferência)

Numa tigela misture a aveia, chia e sal. Em outra tigelinha coloque o melado, azeite e óleo de coco. Coloque a mistura líquida na tigela da aveia e mexa até formar uma massa homogênea (talvez seja necessário mais óleo/azeite e água). Faça bolinhas com a massa e um buraco no centro, como a massa ainda é quebradiça, fiz as cavidades segurando a bolinha de massa com a mão semi-aberta e usei o cabo da colher de pau para abrir o buraco. Coloque toda as bolinhas numa assadeira forrada com papel manteiga, e com uma colher de chá complete os buraquinhos com a geleia. Asse por 20 min, ou até a massa ficar dourada, deixe esfriar completamente sobre uma gradinha e guarde em pote hermético depois de frio.
rende: 20 biscoitinhos

22.2.15

stir fry com cogumelo Eryngui


Sempre falo das minhas idas ao sacolão, às vezes é uma chatice o processo todo, pegar o carrinho, escolher os produtos, embalar, passar pelo caixa, colocar tudo no porta-malas, subir com aquelas sacolas pesadas, desembalar, guardar as coisas em seus lugares próprios (geladeira, fruteira, estante), folhas tenho que lavar no dia, passar pela centrífuga de saladas, guardar... nestas vezes reclamo que é cansativo brincar de casinha, brincar de vida adulta e sinto saudade dos tempos de criança, quando não precisava me preocupar com nada disso e ir à feira com meus pais era mais um passeio (sim, eu pedia para ir à feira, havia barraquinhas de brinquedo e um pastel de palmito para levar pra casa). Mas aí é preciso encarar a realidade, aproveitar a vida e olhar com carinho para uma bandejinha de cogumelo que pareceu ter saído dos Smurfs. Trouxe para casa e depois pensei no que fazer com eles e achei esta receita bem interessante, o cogumelo é bem macio, inclusive os talos, o molho é delicioso,  coloquei gengibre, porque a vida é muito curta para não juntar alho com gengibre, usei uma pimenta em grãos japonesa, a sichuan e adaptei as medidas para duas pessoas. Tirei daqui.

1 dente de alho, picadinho
1 colher (sopa) gengibre picadinho
meia cebola, cortada em pétalas
meia cenoura, cortada em palitinhos
3 folhas de acelga, separe o talo e corte tudo na diagonal
200g cogumelo eryngui, talos e chapéus separados
um punhado de ervilha congelada
¼ xícara shoyu
1 colher (sopa) bem cheia de hoisin
1 colher (chá) bem cheia de amido de milho
água para dissolver o molho
óleo de gergelim
pouquinho de pimenta sichuan esmagada
gergelim branco, para decorar
servi com arroz basmati

Deixe tudo picado antes de ligar o fogo. Coloque óleo numa frigideira (ou wok) junte o alho e gengibre, deixe em fogo baixinho para liberar os aromas sem fritar e queimar. Em seguida coloque a cebola, cenoura, talos de acelga, ervilha e deixe até  murchar. Adicione os talos de cogumelo, cozinhe por mais uns minutos, então coloque as folhas de acelga, chapéis do cogumelo e um fio de óleo de gergelim. À parte, misture o shoyu, hoisin, amido e água, coloque na panela, misture bem e mexa até engrossar. Finalize com a pimenta e gergelim. Sirva com arroz.

19.2.15

granola com canela (e mais um monte de coisas)


Quando penso em granola é porque está na hora de esvaziar a despensa, usando um pouquinho de muitas coisas que deixo guardadas. E mesmo tendo a pecha de alimento saudável não consigo enxergar a granola assim. É nutritiva? É. Contém um monte de alimentos benéficos ao organismo? Yep. É gostosa? Muito. Sei lá, vejo comida "saudável" como sinônimo de alimento funcional e isso me remete a coisas horrendas, tipo os pratos que a Bela Gil prepara. E granola caseira não tem nada a ver com isso, pra mim é quase uma guloseima que como igual pipoca. Nesta fiz algumas substituições com relação a receita original, naquelas de esvaziar a despensa. Receita daqui.

1 xícara aveia em flocos
½ xícara flocos de trigo
½ xícara flocos de cevada
½ xícara coco em flocos
½ xícara amêndoas, picadas grosseiramente
½ xícara nozes picadas
¾ colher (chá) canela em pó
¼ xícara manteiga, derretida
¼ xícara mel
¼ xícara uva-passa clara
¼ xícara damasco picado
¼ xícara cranberry seca
¼ xícara cereja seca

Numa tigela grande misture a aveia, flocos, coco, amêndoas, nozes e canela. Derreta a manteiga e misture com o mel. Despeje esta mistura sobre a aveia e mexa até todos os ingredientes secos ficarem envolvidos pela mistura líquida. Coloque sobre uma assadeira (forrada com papel manteiga), espalhe bem e leve ao forno pré-aquecido a 160ºC por 30-50min. Passados uns 15 minutos remexa a mistura com uma colher, assim tudo assa por igual e não há o risco de queimar. Revire a granola várias vezes, quando estiver seca, mas ainda brilhosa, retire do forno e deixe esfriar. Adicione a uva-passa, damasco, cranberry e cereja - já previamente misturados - assim que a granola esfriar. Guarde em pote hermético.

17.2.15

scones de canela com pecãs e glacê de frangelico


Com o tanto de remédios que (ainda) tomo sei que não posso beber nada alcoólico, mas bem de vez em quando me permito um pouquinho de goró, e licor é meu preferido por ser doce (que novidade!), porém tem o teor alcoólico bem alto, quando comparado a outras bebidas. Quando experimentei Frangelico foi amor à primeira golada, é tão aromático e delicioso, daí pensei: se não posso tomar com tanta frequência, posso colocar um pouco dele em algumas receitas. E encontrei estes scones, são semi-integrais, com aroma de canela e crocante de pecãs, vai super bem com geleia, o marido gostou com doce de leite, mas fica a seu gosto. Scones são como pãezinhos, têm pouco açúcar, alguns são salgados, este é levemente adocicado e a casquinha de glacê combina super bem. Receita daqui.

1½ xícara farinha de trigo integral
1 xícara farinha de trido branca
xícara açúcar 
1 colher (sopa) fermento em pó
¼ colher (chá) sal
2 colheres (chá) canela em pó
100g manteiga gelada
¾ xícara ricota fresca
½ xícara leite
1 ovo
⅔ xícara pecãs, grosseiramente picadas
¼ xícara açúcar de confeiteiro
3-4 colheres (sopa) licor Frangelico

Numa tigela grande misture as farinhas, açúcar, fermento, sal e canela. Coloque a manteiga cortada em cubos e misture com a ponta dos dedos, não é necessário incorporar toda a manteiga, deixe uns pedacinhos do tamanho de feijões, isto ajudará a massa ficar mais folhada. À parte misture a ricota, leite e ovo, junte à tigela com a farinha, mexa com uma colher grande o mínimo necessário. Despeje a massa numa superfície levemente enfarinhada e sove umas 5-6 vezes para formar uma massa consistente (menos é mais!). Divida a massa em duas partes, forme um círculo com cada uma das metades, deixando uns 5 cm de altura. Embrulhe cada um e leve à geladeira no mínimo por 1 hora, ou no máximo por uma noite. Pré-aqueça o forno a 180ºC, corte cada círculo em 6 partes, coloque-as em assadeira forrada com papel manteiga e leve ao forno até dourar. Deixe esfriar completamente antes de colocar o glacê. Para o glacê basta misturar açúcar e licor, este coloque aos pouquinhos para controlar a consistência - eu fiz glacê a mais para acabar com o pacote de açúcar, por isso deu para cobrir completamente cada scone.
rende: 12 scones pequenos

12.2.15

salada do amigo do Jamie Oliver


Não tinha outro jeito de nomear este prato, que no original está "salada do Genaro". É que eu não gosto de fulanizar receitas, tipo, o bolo de laranja da tia Maricota, o pudim de leite da vó Consuelo, se eu não conheço a pessoa, prefiro chamar o prato pelo nome que tem. Segundo o Jamie Oliver esta é uma versão da salada niçoise do seu amigo italiano, seja lá como for, é deliciosa e cheia de sabores. Usei atum fresco, mas pode usar o enlatado sem problemas. Receita daqui.

400g batata bolinha (ou use a que tiver)
4 ovos grandes
2 colheres (sopa) alcaparras
2 limões, sicilianos de preferência
1 lata (200g) atum, ou 300g atum fresco temperado com orégano seco e sal, mal passado
5 colheres (sopa) azeite
1 punhado grande de rúcula, previamente lavada e seca
1 punhado de diferentes folhas, previamente lavada e seca
1 cebola roxa pequena, finamente fatiada
4 filézinhos de anchova, cortados

Cozinhe as batatas em água e sal até ficarem macias, se desejar descasque-as (eu prefiro deixar a casca). Cozinhe os ovos também, ferva por 7 - 8 minutos. Enquanto isso lave bem as alcaparras, coloque-as numa tigela com o sucos dos limões. Quando as batatas estiverem cozidas, pique e coloque numa tigela (é importante temperar ainda quente para o tempero aderir melhor), adicione as alcaparras com o limão, azeite, cebola, sal e pimenta a gosto. Quando as batatas chegarem à temperatura ambiente coloque o atum em lascas, as folhas de salada e por fim os ovos cortados ao meio, ou em quartos. Acerte o tempero, azeite e finalize com as anchovas, misture tudo delicadamente.
serve: 4 porções

5.2.15

cookies de aveia com sementes de cacau


Nada mais que 800g de sementes de cacau esquecidas na despensa e perto do prazo de validade me fizeram correr para usar tudo o que conseguir. Coloco no mingau de aveia, fica bom, já repeti algumas vezes um pudim que postei aqui, marquei muitas outras receitas para dar conta do pacotão. Sei que não é em todo lugar que se acha estas sementes - aqui em SP só sei da Central do Sabor que vende, da Callebaut - mas se você se deparar com elas aconselho a experimentar, quanto mais combinações que experimento, mais fico rendida, um intenso aroma de chocolate e sem toda a gordura e açúcar do chocolate tradicional. Aqui, mais uma vez (como nos meus mingaus) aveia e cacau combinaram muito bem. Receita daqui.

8 colheres (sopa) manteiga, temperatura ambiente
½ xícara açúcar mascavo
½ xícara açúcar refinado
1 ovo
1 xícara farinha de trigo
½ colher (chá) bicarbonato de sódio
½ colher (chá) fermento em pó
1 xícara aveia em flocos
pitada de sal
1 xícara sementes de cacau

Na batedeira coloque a manteiga, açúcares e bata até ficar cremoso e esbranquiçado, adicione o ovo e continue batendo. À parte misture a farinha, bicarbonato, fermento, aveia, sal e sementes. Coloque a mistura seca aos poucos na batedeira e bata somente até incoporar tudo. Faça bolotas com a massa de uma colher de sopa, coloque em assadeiras forradas com papel manteiga (ou papel alumínio) e leve ao forno até dourar levemente nas beiradas. Deixe esfriar sobre uma gradinha.

1.2.15

torta de frango com broto de bambu


Esta torta era figurinha repetida em casa nos primeiros meses de casamento, até que enjoei, o marido mal comia e deixei de lado. Aí no final do ano passado comecei a ver com frequência broto de bambu no sacolão e comprei para experimentar (já tinha comido antes, e achei horrível, descobri que era o modo de preparo errado, a forma correta está no final da receita). Vi que poderia usar como substituto do palmito e este combina tão bem com frango, né? Enfim, uma coisa leva à outra e a torta acabou surgindo. Gostei bastante, admito que é trabalhosa, porém o resultado compensa ;)

massa:
190g farinha de trigo
2 colheres (sopa) amido de milho
100g manteiga gelada, picada
⅓ colher (chá) fermento em pó
1 ovo pequeno
2 ½ colheres (sopa) leite frio, ou água gelada 

recheio:
1 peito de frango com osso
2 tomates sem pele
1 cebola pequena picada
2 dentes de alho, esmagados
um punhado de salsinha picada
cerca de 300ml do caldo de frango
meio copo de requeijão, ou cream cheese
300g de broto de bambu cozido e picadinho*
sal, pimenta, a gosto.
1 gema, para pincelar

Comece pela massa, peneirando os ingredientes secos e acrescente a manteiga, misture até formar uma farofa, coloque o ovo e misture mais, adicione o leite aos pouquinhos até formar uma massa homogênea. Embrulhe em papel filme e deixe na geladeira por 30 min. Separe ⅔ da massa, abra com um rolo sobre uma superfície enfarinhada e preencha uma forma de 20cm de diâmetro no fundo e nas laterais. Furei com um garfo, coloque uma folha de papel alumínio por cima e coloque feijões para fazer peso, leve para assar, até dourar levemente. Retire do forno e deixe esfriar.
Para o recheio, cozinhe o peito de frango na pressão (por uns 20min), temperando a água com ¼ de cebola, um punhado de salsinha com os talos, um dente de alho e sal. Quando estiver cozido, desfie bem o frango e reserve. Numa panela grande refogue a cebola e alho, coloque os tomates picados, salsinha e deixe cozinhar. Adicione o frango, broto de bambu, uma quantidade que dê para cobrir a panela do caldo de frango do cozimento e deixe por alguns minutos até a água secar. Acerte sal, pimenta, ou outro tempero que desejar, e finalize com o requeijão. Coloque a mistura da forma de massa pré-assada. Use o restante da massa para cobrir a torta, eu não consigo fazer aquele entrelaçado bem-feito, então abri a massa, usei uns cortadores de biscoito, seja como você fizer, finalize pincelando gema na massa da cobertura. Leve ao forno até dourar.
*Para cozinhar o bambu, troque várias vezes a água fervente (umas 5 ou 6 vezes) e acrescente numa das trocas um pouquinho de bicarbonato de sódio, ele - e as trocas de água - ajudam a tirar o amargor.